16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANALISE XPLORATORIA DA PREVALENCIA DE PATOLOGIAS CRONICAS NO BRASIL EM 2013 E 2019: A IMPORTANCIA DA DISCUSSAO COM DADOS ABERTOS.

Fundamentação/Introdução

As Doenças crônicas não transmissíveis são responsáveis em todo o planeta por 70% de todas os óbitos aproximadamente 41 milhões de mortes. No Brasil corresponde a cerca de 76% das causas de morte e repercutem em impactos para toda a sociedade e sistema de saúde. Conhecer a prevalência real na sociedade pode contribuir para definição de tratativas públicas. O IBGE através da pesquisa nacional de saúde realiza periodicamente levantamento de dados que podem ser utilizados.

Objetivos

Analisar dados prevalência e internação por Diabetes Mellitus (DM), Hipertensão Arterial (HAS) e Asma por regiões do Brasil nos anos 2013 e 2019.

Delineamento e Métodos

Estudo descritivo, onde foram analisados dados da Pesquisa Nacional de Saúde IBGE- PNS/IBGE e internação no DATASUS/MS sobre DiabetesMelitus (DM), Hipertensão Arterial (HAS) e Asma(DA). Período 2013 e 2019. Utilizado ExcellR para análises. Dados analisados: Região, Gênero, faixa etária.

Resultados

Com relação ao DM: os dados da PNS de 2013, apontam que 6,2% dos entrevistados referiram diagnóstico médico de DM. Em 2019 os dados foram 7,7% ( ou mais de 12,3 milhões de pessoas. As mulheres eram 8,4% e os homens que relataram foram 6,9%. A região com maior prevalência foi Sudeste (8,5) e a menor foi a norte (5,5). Dados do Datasus/MS apontam132.629 internações em 2013 e126.846 em 2019.Com relação a HAS, dados da PNS apontam em 2013 que 21,4% dos entrevistados indicaram terem um diagnóstico médico. Em 2019 estes dados eram 23,9% (38,1 milhões de pessoas). As mulheres eram 26,4 e os homens 21,1. Dados Datasus/MS apontam em 2013 que 77.953 internações e em 2019 foram 51. 558.Com relação ao diagnóstico de Asma (DA) Dados PNS 2013, mulheres foram 70% com diagnostico de asma (DA). Com relação ao Datasus/MS , foram 60% das internações no país. A faixa etária 30-59 anos foi a mais frequente com DA na PNS (56%) , na internação (44%) e nos óbitos (49%), seguido aqui pelo grupo 60 anos e mais (45%).)A região com maior DA pela PNS foi a SE (49%), seguido pela NE (21%). A SE foi ainda a região com maior proporção de óbitos (46%), seguido pela NE (29%).

Conclusões/Considerações finais

No período 2013 e2019, de acordo com PNS, no Brasil houve uma redução das mulheres com diagnóstico médico de asma. Houve um aumento dos portadores de DM e HAS. Os dados de internação por DM e HAS diminuíram de 2013 para 2019. Assim, mostra-se importante uma análise dos dados de pesquisa por domicílio para ampliar a prevalência das doenças crônicas no Brasil.

Palavras Chave

Prevalencia, Epidemiologia, Patologias cronicas, IBGE, Pesquisas dados abertos

Área

Clínica Médica

Autores

TELMA DE CASSIA DOS SANTOS NERY