16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Relato de Caso: Linfohistiocitose hemofagocítica em paciente com Tuberculose Genitourinária e HIV

Fundamentação/Introdução

A Linfohistiocitose Hemofagocítica (LHH) é uma síndrome caracterizada por uma hiperativação do sistema imune gerando disfunções orgânicas diversas. Pode ser deflagrada por desordens genéticas ou gatilhos infecciosos, como a Tuberculose (TB).

Objetivos

O presente artigo tem como objetivo descrever um caso de LHH em um paciente HIV+, provocada por um quadro de TB genitourinária, ressaltando a importância da suspeição para esse raro diagnóstico dados a sua rápida evolução e gravidade.

Delineamento e Métodos

Relato de Caso

Resultados

Paciente de 39 anos com diagnóstico de infecção por HIV em fase AIDS, desde 2003, em tratamento irregular, dá entrada na Emergência em 14/10/20 com perda ponderal, úlceras orais, perianais e hematoquezia. Contagem de Linfócitos CD4 de 4 e Carga Viral de 131.724 cópias. Diagnosticado com abcesso perianal, iniciou tratamento com Piperacilina+Tazobactam.
Após 1 semana, evoluiu com febre diária, hipotensão, esplenomegalia, disfunção hepática, renal, pancitopenia, hiperferritinemia e hipertrigliceridemia.
Foi suspensa a Terapia Anti-Retroviral (TARV) e escalonada antibioticoterapia com adição de Amicacina e Teicoplanina.
Biópsia de medula óssea do dia 05/11 evidenciou mielodisplasia pelo HIV e hemofagocitose, confirmando diagnóstico LHH, sendo iniciada corticoterapia no dia 10/11.
Paciente evoluiu com melhora clínica e laboratorial após 1 semana, sendo suspensa a antibioticoterapia e introduzido novo esquema de TARV.
Entretanto, houve piora da disfunção renal (ClCr 9 ml/kg/m2) e surgimento de hematúria. Tomografia evidenciou hidronefrose à esquerda e múltiplos pontos de estenose ureteral à ureteroscopia, sugerindo TB urinária. Foi instalado cateter duplo J e coletadas amostras para pesquisa de Bacilo Álcool-Ácido Resistente, Teste rápido molecular e cultura para micobactéria, todas com resultado negativo.
Devido a imagem muito sugestiva para TB, foi optado pelo início de terapia empírica com esquema de primeira linha e suspensão da TARV. O diagnóstico foi confirmado por urocultura após 6 coletas.
Após 4 semanas, houve melhora expressiva da função renal e da hematúria, sendo reintroduzida TARV. Recebe alta no dia 22/12 para seguimento com a Clínica Médica e Urologia.

Conclusões/Considerações Finais

A LHH é uma desordem rara, frequentemente deflagrada por infecções virais. Contudo, devido a sua rápida evolução e capacidade de provocar disfunções orgânicas graves, é necessária a atenção para tal diagnóstico, assim como para a Tuberculose extra-pulmonar, mais frequente no paciente com AIDS.

Palavras Chave

Linfohistiocitose hemofagocitica; HIV; AIDS; Tuberculose genitourinária.

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade Estadual do Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil

Autores

LUIZ OTAVIO FARACO OLIVETO, ANDRE HERDY DE LIMA, MONIQUE BARRETO SANTANA, THAISSA MENDONÇA MOREIRA, ISABELA CAMINHA VITELLI