16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PERFIL DE PACIENTES E RISCO DE FALHA NO USO DO CATETER NASAL DE ALTO FLUXO EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA DE PACIENTES COM COVID19

Fundamentação/Introdução

A COVID19 é o maior desafio sanitário da era moderna. A oxigenioterapia é um dos pilares do tratamento, e o uso do Cateter Nasal de Alto Fluxo (CNAF) é estudado na redução da mortalidade e necessidade de Ventilação Mecânica Invasiva (VMI). Contudo, existem dúvidas sobre quais pacientes terão falha do método e consequentemente atraso na instituição da VMI.

Objetivos

Descrever e identificar variáveis clínicas e laboratoriais relacionadas à falha do CNAF em pacientes com COVID19.

Delineamento e Métodos

Neste estudo retrospectivo, observacional e transversal, foram selecionados pacientes com diagnóstico de COVID19 que fizeram uso do CNAF na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), e foram classificados quanto ao sucesso ou falha do método, definida pela necessidade de VMI. Os parâmetros clínicos (idade, sexo, comorbidades, sinais vitais), exames laboratoriais e de imagem à admissão hospitalar, e escores SAPS 3 à admissão na UTI e APACHE II, 24 horas após, foram avaliados. Os testes Studant´s t ou Mann-Whitney foram utilizados na comparação das variáveis contínuas. As variáveis categóricas foram comparadas pelo teste qui-quadrado. Uma regressão logística foi feita para determinar a associação das variáveis à falha do método, além de potenciais fatores de confusão. O nível de significância adotado foi de alfa=0,05.

Resultados

Foram selecionados 41 pacientes. Destes, 43% (18) obtiveram sucesso. Os pacientes que falharam 57% (23) apresentaram maior mortalidade em 28 dias (9 vs 0%; p=0,002). Os escores SAPS 3 (44,4 ± 9,0 vs 35,1 ± 12,8; p= 0,01), APACHE II (8,2 ± 3,5 vs 13,4 ± 9,4; p=0,03) e níveis de sódio (136 ± 2,5 vs 138 ± 3,3, p=0,04) foram significativamente maiores nos pacientes que falharam. Por fim, a regressão múltipla logística revelou que o escore SAPS 3 ≥ 45 foi independentemente associado a falha do CNAF com OR 19,61 (1,1-345,8; p= 0,04), excluindo fatores de confusão. O escore APACHE II não apresentou significância estatística quando realizado a regressão logística para o escore ≥11, com OR 2,2 (0,3-13,7; p=0.38). Os sinais vitais, características de acometimento pulmonar em exames de imagem e laboratoriais à admissão não mostraram diferenças entre os grupos.

Conclusões/Considerações finais

O estudo sugere que escores já utilizados na prática como SAPS 3 e APACHE II podem auxiliar na seleção de pacientes com risco de falha no uso de CNAF, podendo evitar o atraso na indicação da VMI. O sódio parece estar envolvido na fisiopatologia da doença grave, e mais estudos são necessários para determinar o mecanismo e a associação entre ambos.

Palavras Chave

Covid-19; Epidemiologia descritiva; Hipóxia; Unidade de Terapia Intensiva; Insuficiência Respiratória

Área

Clínica Médica

Instituições

Hospital PUC Campinas - São Paulo - Brasil

Autores

JOAO VITOR DOMINGUES DA COSTA NASCIMENTO, ARTHUR SANTA CATHARINA, WAGNER ARTIAGA JUNIOR, ADRIANO CESAR BERTUCCIO, THIAGO LUIS RONCONI