16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

CARCINOMA DE CÉLULAS DE MERKEL COM METÁSTASE ADRENAL: RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

O carcinoma das células de Merkel (CCM) corresponde a uma forma incomum e agressiva de neoplasia maligna cutânea. Geralmente acomete pacientes acima de 60 anos em áreas cronicamente expostas ao sol. Estas células se localizam na camada basal da epiderme e têm função neuroendócrina pouco compreendida. O prognóstico é ruim, sendo observados elevados índices de recidivas locais e metástases.

Objetivos

Discutir um caso de carcinoma de células de Merkel com apresentação atípica de metástase em adrenal.

Delineamento e Métodos

Paciente feminino, 72 anos, agricultora, consulta por lesão eritematosa em região frontal esquerda que surgiu há 2 meses, com crescimento progressivo e rápido, sangramento e prurido, indolor. Ao exame físico, evidenciava-se lesão com coloração violácea e características ovóide e elevada, com cerca de 1 x 1,5 x 2 cm nas maiores dimensões e linfonodo em região da parótida, elástico, móvel, de cerca de 2cm. A paciente foi submetida à tomografia computadorizada de abdome para estadiamento , a qual evidenciou lesão expansiva na topografia da glândmetula adrenal esquerda, apresentando íntimo contato com a cauda do pâncreas e com o polo superior e terço médio do rim esquerdo e com o revestimento retroperitoneal.

Resultados

Ademais, foi encaminhada para biópsia da lesão, cujo resultado anatomopatológico confere neoplasia maligna, pouco diferenciada, de alto grau, com elevado índice mitótico em derme e hipoderme. A imuno-histoquímica sugere o diagnóstico de CCM, com Sinaptofisina MRQ-40 positivo difusamente, Ki-67 SP6 positivo em 40% e CK20 positivo.A conduta proposta foi de ressecção local com margens de 1,5 cm lateralmente e de profundidade. Devido à metástase à distância, paciente iniciou primeiro ciclo de quimioterapia paliativa, apresentando insuficiência renal aguda por nefrotoxicidade pela cisplatina e encefalopatia metabólica, então evoluindo ao óbito.

Conclusões/Considerações Finais


Clinicamente, o CCM apresenta-se como uma placa, normalmente único, de coloração avermelhada ou rosácea. Ao toque, são lesões firmes e indolores. A maioria tem menos de 2 cm de diâmetro e evolui rapidamente, bem como no caso relatado. O tratamento está baseado na exérese cirúrgica completa, associada ou não a tratamentos adjuvantes. O prognóstico é ruim, observando-se elevada incidência de recidivas locais (20-75%), metástase linfonodal (30-70%) e à distância (25-50%). A sobrevida média em 5 anos é de 30-75%, sendo que o principal fator preditivo em relação à sobrevida é o estadiamento inicial. É rara metástase para adrenal.

Palavras Chave

Carcinoma células de Merkel, metástase, adrenal

Área

Clínica Médica

Autores

HELOISA OMIZZOLO, NERI OMIZZOLO