16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ABORDAGEM SINDRÔMICA DE DOENÇA REUMATOLÓGICA: RELATO DE CASO DE POLIARTERITE NODOSA

Fundamentação/Introdução

A poliarterite nodosa (PAN) é uma vasculite sistêmica rara, de apresentação variada e diagnóstico difícil. Requer extensa propedêutica, pois, com exceção de evidências obtidas por angiografia ou biópsia, não possui características individuais que a confirmem.

Objetivos

Demonstrar a importância da abordagem sindrômica no tratamento da PAN.

Delineamento e Métodos

UAA, 36anos, sexo masculino, tabagista, previamente hígido, admitido com quadro de parestesia em membros inferiores de padrao ascendente, atingindo membros superiores e hemiface direita associado a ataxia de marcha e hipoestesia de membros inferiores. Relato de fraqueza muscular, diplopia monocular à direita, disfagia para sólidos, alteração na fala, incontinência fecal e urinária de esforço, além de perda ponderal de 14kg em 03 meses associada a sudorese noturna, tosse seca e febre. Sem lesões cutâneas. Feita extensa propedêutica para exclusão de outras doenças neoplásicas, reumatológicas, infecciosas e vasculares. Sorologias, provas reumatológicas, enzimas musculares e eletroforese de proteínas sem alterações. A tomografia de crânio com sinusopatia crônica. Tomografias de tórax, abdome e pelve sem alterações. Apesar de sua relevância, não foi realizada angiografia pela indisponibilidade no serviço. Contudo, a perda ponderal superior a 4kg, fraqueza muscular e polineuropatia são critérios diagnósticos da PAN, de acordo com o Colégio Brasileiro de Reumatologia.

Resultados

Assim, pela gravidade dos sintomas e piora dos déficits, iniciada pulsoterapia com metilprednisolona com melhora importante. A biópsia de nervo sural confirmou poliarterite nodosa. A eletroneuromiografia evidenciou polineuropatia periférica sensitivo - motora axonal.

Conclusões/Considerações Finais

A abordagem sindrômica precoce no tratamento da PAN é fundamental, pois a propedêutica (biópsia e a angiografia), são recursos de difícil acesso. Tal conduta faz-se necessária, pois o prognóstico da PAN varia com e sem tratamento. Por ser uma vasculite não relacionada ao ANCA seu diagnóstico é ainda mais desafiador já que não há exames laboratoriais específicos para esta doença. Observam-se taxas de sobrevida em torno de 80% em 5 anos nos casos de terapia imposta e, sem tratamento, a sobrevida chega a 50% no primeiro e 13% no quinto ano de doença.

Palavras Chave

Poliarterite nodosa, doença reumatológica

Área

Clínica Médica

Autores

BARBARA LOPES FARACE, BRENO ALVES ARAÚJO, DEBORA DORNELAS DA CUNHA, LUIZA AGUIAR FALCI, SUEMARA FERNANDES DA SILVA MARTINS