16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

LESÃO PULMONAR AGUDA RELACIONADA À TRANSFUSÃO EM PACIENTE COM QUADRO DE HEMORRAGIA DIGESTIVA

Fundamentação/Introdução

A lesão pulmonar aguda relacionada à transfusão (TRALI) é uma síndrome caracterizada por edema pulmonar agudo, não cardiogênico, associado à hipóxia que ocorre durante ou após o procedimento. É uma séria e rara complicação relacionada à hemocomponentes que contêm plasma. Manifesta-se por sintomas como febre, alterações respiratórias e distúrbios de perfusão. O diagnóstico se dá pela ocorrência de angústia respiratória aguda durante ou dentro de 6 horas da transfusão ou de 6 à 72 horas, sendo considerada a TRALI tardia. Não há tratamento específico, a transfusão deve ser interrompida imediatamente e o manejo consiste em medidas de suporte ventilatório.

Objetivos

Relatar o caso de uma síndrome clínica rara, porém grave, e ilustrar sua relevância como diagnóstico de complicações após transfusões sanguíneas.

Delineamento e Métodos

Estudo descritivo do tipo relato de caso, usando artigos científicos, no idioma inglês e português, em um intervalo de tempo de 21 anos (2000-2021).

Resultados

H.S.D, masculino, 63 anos, hipertenso e tabagista, deu entrada na emergência em 18/07/19 após episódio de hemorragia digestiva alta. História de trombose venosa profunda em uso de Marevan. Na admissão, hipocorado, desidratado, acianótico, hipotenso 80x40 mmHg, FR 18 irpm, FC 100 bpm e saturação à 99%. Prescrito 2 concentrados de hemácias, vitamina K, soro fisiológico 0,9%, omeprazol 40 mg, suporte intensivo e exames laboratoriais. Hemograma mostrou hemoglobina de 5,6 mg/dL, sendo realizada transfusão do primeiro concentrado de hemácias. No dia 22/07 iniciou quadro de dispneia, sudorese fria e sibilos expiratórios, sendo prescrito corticoterapia sem melhora. Em 23/07 estava em bom estado geral, porém manteve dificuldade respiratória. No dia 24/07 apresentou melhora do quadro respiratório, saturando à 97% em ar ambiente, FC 83 bpm, FR 22 irpm, PA 133x74 mmHg e hematócrito de 17,6%, evoluindo posteriormente com alta hospitalar.

Conclusões/Considerações Finais

Apesar de não manifestar a clínica clássica, o diagnóstico deu-se à partir do desconforto respiratório ocorrido 72h após a transfusão, não sendo identificado outro motivo para o quadro clínico apresentado. A TRALI é uma condição rara, e por isso, ocorre dificuldade diagnóstica principalmente devido a confusão com a síndrome da angústia respiratória aguda. Pela sua gravidade, deve ser considerada como diagnóstico diferencial, pois pode levar ao óbito do paciente.

Palavras Chave

TRALI, transfusão sanguínea, insuficiência respiratória

Área

Clínica Médica

Autores

VIVIANE LOZANO ESPASANDIN, RAFAEL MENASCHE SOICHET, RAFAELA MOTTA PEREIRA, RAFAELLA RIBEIRO SAES, MARIAH MARQUES LUZIA FREIRE FERREIRA