16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANALISE DO SUCESSO DA EXTUBAÇAO NO SERVIÇO DE EMERGENCIA

Fundamentação/Introdução

Extubação caracteriza-se como a retirada da via aérea artificial, compondo a etapa final do processo de desmame da ventilação mecânica invasiva. No setor de emergência não é realizada com frequência, mas pode ser segura em pacientes selecionados e com atuação contínua da equipe multidisciplinar. Além disso, a extubação neste tipo de serviço pode ser uma maneira de aumentar a eficiência logística hospitalar ao reduzir o uso de leitos de unidade de terapia intensiva (UTI), principalmente em épocas de grande demanda.

Objetivos

Demonstrar que é possível realizar o procedimento da extubação de maneira segura no serviço de emergência.

Delineamento e Métodos

Estudo de caráter retrospectivo através de análise de prontuário de pacientes clínicos e cirúrgicos que foram extubados no serviço de emergência de um hospital escola no período de julho de 2018 a maio de 2021. Dados clínicos e demográficos foram coletados, como sexo, idade e local de intubação. Os demais dados analisados foram após a extubação, como transferência para UTI, alta hospitalar e óbito.

Resultados

Foram analisados 336 prontuários, com idade entre 18 e 100 anos (média de 56 anos), destes, 186 (55,4%) eram pacientes do sexo masculino e 150 (44,6%) do sexo feminino. Em relação à intubação orotraqueal, 274 (81,6%) pacientes foram admitidos já intubados e 62 (18,4%) foram submetidos ao procedimento na sala de emergência, com tempo médio de intubação de 1,5 dias, sendo as principais causas: rebaixamento do nível de consciência (68,7%), insuficiência respiratória (25,9%), parada cardiorrespiratória (4,5%) e proteção de via aérea (0,9%). Após a realização da extubação, 5,9% necessitaram de reintubação. Em relação ao destino, 76,2% dos pacientes foram encaminhados às enfermarias, 14,3% para UTI, 1,2% foram transferidos para outros hospitais, 0,9% para o centro cirúrgico, 0,9% evoluíram para óbito no próprio setor e 6,5% dos pacientes tiveram alta diretamente para a residência. Ao final da internação (média de 7,6 dias), 89,6% receberam alta e 10,4% evoluíram a óbito.

Conclusões/Considerações finais

Conclui-se que, o procedimento de extubação na sala de emergência pode ser realizado de maneira segura, tendo em vista os resultados alcançados, sempre com análise prévia e acompanhamento do paciente em conjunto com a equipe multidisciplinar.

Palavras Chave

Medicina de emergência, extubação, ventilação mecânica, unidade de terapia intensiva.

Área

Clínica Médica

Instituições

Hospital de Base / FAMERP - São Paulo - Brasil

Autores

FERNANDA RIBEIRO QUINTINO DOS SANTOS, MARCELO VILLAÇA LIMA, LUCCAS BASTOS P SANTOS, RAFAEL NAOKI SOUZA