16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

PERFIL EPIDEMIOLOGICO DOS PACIENTES COM MAIS DE 90 ANOS COM COVID 19 E SUA RELAÇAO COM POPULAÇAO GERAL

Fundamentação/Introdução

Desde o início do século XXII, está estabelecido que mulheres em média sobrevivem mais que os homens em todos os países, sendo que 62% dos indivíduos com mais de 80 anos são mulheres, com projeções de aumento para as próximas décadas, possuindo assim o sexo feminino uma sobrevida em dez anos maior do que os homens. Traçando um paralelo com a população em geral, o fator mais destoante consiste na obesidade, onde se percebe um declínio na prevalência ao longo da idade dos pacientes, com destaque a partir dos sessenta anos. Sabe-se que o corte em relação à classificação de Índice de Massa Corpórea (IMC) para obesidade em idosos consiste em 27kg/m², devido a mudanças na composição corporal, associadas ao processo de envelhecimento físico e metabólico. Dito isso, traça-se um panorama com a doença mais desafiadora da atualidade, a COVID-19 e a sua relação com a obesidade em idosos. Estima-se que a sobrevida da população idosa está indiretamente ligada ao não desenvolvimento de obesidade, ao mesmo passo que se interroga a associação entre mortalidade e obesidade, assim como a severidade do COVID-19 associado ao estado de obesidade, ambas condições que estimulam atividade inflamatória.

Objetivos

Descrever o perfil epidemiológico e os dados de internação dos pacientes com mais de 90 anos com diagnóstico de COVID 19, relacionando a distribuição por sexo com a população geral.

Delineamento e Métodos

Estudo observacional descritivo, realizado em um hospital terciário de Florianópolis, durante o período de março de 2020 a março de 2021. Os dados coletados referem-se aos pacientes com idade igual ou superior a noventa anos, com diagnóstico de COVID 19, que foram submetidos a internação hospitalar, relacionados de acordo com os seguintes parâmetros: sexo, idade, óbito, cuidados paliativos exclusivos, presença de comorbidades (Doença Cardiovascular, Doença Renal Crônica, Doença Neurológica Crônica, Doença Respiratória Crônica ou Neoplasia) e IMC médio

Resultados

Dos 23 pacientes analisados, a letalidade de COVID 19 foi de 52,17%. Observada prevalência de 60,8% do sexo feminino, sendo estatisticamente significativo (p<.00271) em relação a distribuição de sexo da população geral internada com COVID 19 durante o mesmo período. Dos pacientes que faleceram, 83% foram estabelecidos teto terapêutico, com idade média de 93 anos. Doença Cardiovascular e Doença Neurológica Crônica foram as comorbidades com maior prevalência na população, com 73% e 54% respectivamente. O IMC médio da amostra foi de 25,2 kg/m2.

Conclusões/Considerações finais

O presente estudo demonstrou uma alta taxa de letalidade nos pacientes com mais de 90 anos, sendo a maioria deles submetidos a paliação. Houve maior prevalência do sexo feminino, sendo estatisticamente significativo dentro da população geral.

Palavras Chave

Idoso; Indicadores de
Serviços ; Coronavírus

Área

Clínica Médica

Instituições

UNISUL - Santa Catarina - Brasil

Autores

JOAO VICTOR MENESES DE AGUIAR, RODRYGO NEI VALTMANN FANFA, GABRIEL ZIN HEUKO, FERNANDO GRAÇA ARANHA, FIDEL SILVEIRA LEAL