16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

RELATO DE CASO: Abdome agudo associado à torção ovariana em paciente obstétrico.

Fundamentação/Introdução

A torção ovariana decorre da rotação total ou parcial do pedículo vascular ovariano, causando estase venosa e arterial, isquemia e, consequentemente, abdome agudo. Apresenta-se com dor aguda e unilateral, associada a massa em topografia anexial, náuseas e vômitos. Pode estar relacionada à gestação, uso de hormônio para estimular ovulação e aumento do ovário. O diagnóstico é clínico e a ultrassonografia transvaginal com doppler pode confirmar o diagnóstico, podendo ser necessária cirurgia exploratória. O tratamento é cirúrgico por laparotomia ou laparoscopia, com distorção dos ligamentos ou ooforectomia, dependendo do caso.

Objetivos

O objetivo deste relato de caso é descrever, de modo geral, a torção ovariana e mostrar a importância de um diagnóstico e tratamento rápidos para evitar morbimortalidade.

Delineamento e Métodos

Estudo observacional descritivo

Resultados

Paciente feminino, 38 anos, 13 semanas gestacionais e 6 dias de gestação. Refere dor em fossa ilíaca direita (FID), de forte intensidade, constante, sem fatores de melhora ou piora e sem irradiação. Associada a náuseas e 5 episódios de vômito. Ao exame físico apresentava-se em regular estado geral, descorada (2x/4), desidratada (2x/4), acianotica, anictérica e taquicárdica (FC = 125 BPM), apresentava duas bulhas rítmicas normofoneticas em dois tempos, sem sopros e murmúrio vesicular positivo bilateralmente sem ruídos adventícios. No exame abdominal constatou-se cicatriz tipo pfannenstiel, ruídos hidroaereos presentes, nos padrões de normalidade, dor a palpação superficial e profunda de FDI, além de massa palpável em FID. BCF: 135 bpm. Os membros inferiores com pulsos presentes, ausência de edema e sinais de empastamento de panturrilha. O USG transvaginal constatou torção de ovário direito. Devido aos riscos, paciente foi submetida a ooferectomia de urgência por meio da incisão pfannenstiel. O procedimento ocorreu sem intercorrências. Paciente obteve alta e segue em acompanhamento ambulatorial

Conclusões/Considerações Finais

A torção ovariana é uma emergência cirúrgica, pois o risco de evoluir para um quadro de abdome agudo, resultando em morte ou esterilidade da paciente, é bastante elevado. Apresenta prevalência de 2 a 6% e corresponde a 3% das pacientes que recorrem ao serviço de emergência por dor abdominal. Estes índices indicam a importância de se fazer um diagnóstico adequado em tempo hábil. Para tanto, é importante que os serviços de emergência tenham profissionais capacitados e possuam aparelhos de ultrassonografia com doppler e centro cirúrgico.

Palavras Chave

Torção ovariana, torção de ovário, abdome agudo ginecológico

Área

Clínica Médica

Instituições

unimar - São Paulo - Brasil

Autores

CAMILA SIMARI TEIXEIRA DA SILV, AMANDA OLIVA SPAZIANI, RAISSA SILVA FROTA, MARIANA BIAGGI, MARIA ALICE SANCHES PLAZA