16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

MORTALIDADE POR DIABETES MELLITUS NO BRASIL E REGIOES, ENTRE OS ANOS DE 2010 A 2019

Fundamentação/Introdução

O Diabetes Mellitus (DM) representa cerca de 10,7% da mortalidade mundial por todas as causas, destacando-se como importante causa de morte com o progredir da idade, gerando um alerta frente ao cenário de envelhecimento populacional. Neste contexto, torna-se importante estimar a mortalidade por DM no Brasil para compreensão do real impacto desta patologia nesta população.

Objetivos

Analisar a mortalidade decorrente de DM no Brasil entre os anos de 2010 a 2019.

Delineamento e Métodos

Trata-se de um estudo ecológico baseado nas informações do Sistema de Informações Hospitalares (SIH/SUS) do Departamento do Sistema Único de Saúde (DATASUS). Os dados obtidos foram estratificados de acordo com o ano, região, sexo, faixa etária e classificação do código internacional de doenças (CID-10 E10 a E14 e O24).

Resultados

Entre 2010 e 2019 houve 601867 óbitos no Brasil por DM. Mulheres representaram 55,03% dos óbitos e homens 44,95% (0,02% de ignorados). A população de 50 ou mais anos representou 93,03% dos óbitos, com destaque para faixa de 80 ou mais anos (29,97%). A classificação CID-10 E14 (Diabetes Mellitus não especificada) concentrou 82,31% dos óbitos. A maior média de mortalidade bruta do período estudado foi da Região Nordeste (35,05 por 100.000 habitantes), seguida da Região Sul (32,01), Sudeste (27,40), Centro-Oeste (23,81) e Norte (23,33). A faixa de 80 ou mais anos destacou-se com uma mortalidade média específica para faixa etária de 554,28 por 100.000 habitantes no período, enquanto a mortalidade média bruta no Brasil para o período foi de 29,56 óbitos por 100.000 habitantes. Considerando o período inicial (2010) e final (2010) observou-se o aumento do número de óbitos e da taxa de mortalidade bruta para o Brasil e regiões.

Conclusões/Considerações finais

A distribuição dos óbitos está de acordo com epidemiologia descrita na literatura, com predominância dos óbitos na população feminina e de idade mais avançada. A predominância do CID E14 nos registros de óbitos, contrariando o esperado, reflete a problemática encontrada quanto à insuficiência do preenchimento de informações mais detalhadas na declaração e notificação do óbito. A predominância da mortalidade na Região Nordeste pode advir de aspectos concernentes a precariedade da assistência à saúde e acesso a políticas de saúde específicas nesta população, enquanto no Sul pode estar associado a predominância da população mais velha nesta região, bem como dos hábitos de vida.

Palavras Chave

Diabetes Mellitus; Taxa de mortalidade; Brasil

Área

Clínica Médica

Autores

RAFAELA GOES BISPO, CATHERINE CASTELO BRANCO DE OLIVEIRA, MATEUS DA SILVA SANTANA, LUCAS SANTANA BAHIENSE FILHO, JOAQUIM CUSTÓDIO DA SILVA JÚNIOR