16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Síndrome ictérica como manifestação inicial de lúpus eritematoso sistêmico (LES): um relato de caso.

Fundamentação/Introdução

O Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença autoimune, multifatorial, caracterizada pela produção de autoanticorpos pelas células B, resultando em inflamação e dano a diversos órgãos. Apesar da diversidade sintomatológica presente manifesta-se comumente por febre, fadiga, mal-estar, rash cutâneo, entre outros. Entretanto, a síndrome ictérica apesar de raramente associar-se ao LES pode se fazer presente em alguns pacientes. Essa associação é desencadeada por uma resposta autoimune característica, que resulta em uma anemia hemolítica e, por fim, leva ao excesso de bilirrubina no organismo que se manifesta por icterícia, colúria e acolia.

Objetivos

Relatar um caso de síndrome ictérica como manifestação inicial de LES.

Delineamento e Métodos

Mulher, 30 anos, com história de artralgia e febre sem foco infeccioso com um ano de evolução, evoluiu com síndrome ictérica procurou o serviço para elucidação diagnóstica. Fora avaliada inicialmente pela cirurgia geral com evidência de síndrome colestática, mas descartadas doenças da árvore biliar e demais etiologias cirúrgicas para o caso (ultrasonografia de abdome com evidências de hepatopatia crônica, tomografia de abdome com ascite volumosa e lesão hipodensa em lobo quadrado do fígado, colangiopancreatografia retrógrada endoscópica sem dilatação intra e extra-hepática). Aos cuidados da clínica médica realizou ecocardiograma com evidência de derrame pericárdico e tomografia de tórax com derrame pleural bilateral. Foram afastadas as hipóteses de hepatite autoimune e cirrose biliar primária através de biópsia hepática (fígado reacional com discreta balonização dos hepatócitos. Fibrose F1) e marcadores de autoimunidade para estas etiologias negativos. Apresentava ainda hemograma com leucopenia e linfopenia, função renal preservada, exame de urina sem alterações, e fator antinuclear (FAN) positivo padrão misto nuclear homogêneo e pontilhado 1:640.

Resultados

Levantou-se a hipótese de LES que foi confirmada através dos critérios do ACR e SLICC (artralgia, serosite, leucopenia + linfopenia e FAN positivo). Paciente teve alta hospitalar para seguimento ambulatorial após início de corticoterapia e hidroxicloroquina.

Conclusões/Considerações Finais

Conclui-se que o aprofundamento do estudo sobre tal relato é de suma relevância, visto que se trata de uma apresentação rara do LES, com manifestações clínicas clássicas de colestase, sendo assim, diante de um caso de síndrome ictérica é sempre importante pensar em LES como diagnóstico diferencial.

Palavras Chave

Lúpus Eritematoso Sistêmico, Síndrome Ictérica.

Área

Clínica Médica

Autores

ZAIRA CRISTINA BARBOSA ASSIS, FERNANDA GABRY SCAZUZA GOMES SOUZA, JADE GOMES COSTA MEDEIROS, ARCHIMEDES FERNANDES ALVES SANTANA, CAROLINE SOUZA ALOVISI