16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANALISE DO PERFIL DE INTERNAÇOES POR ENCEFALITE VIRAL NO PERIODO DE 2016 A 2020

Fundamentação/Introdução

A encefalite de origem viral é a causa mais comum de encefalite e é responsável por significativas taxas de morbimortalidade. Apresenta-se com início agudo, com presença de febre, alteração do estado mental, convulsões e/ou sinais neurológicos focais associados à infecção viral. As etiologias mais comuns são representadas pelos herpes vírus 1 e 2, enterovírus não pólio e arbovírus (Dengue, Zika e Chikungunya).

Objetivos

O objetivo deste trabalho foi analisar o cenário atual das internações de encefalite viral pulmonar durante os últimos 5 anos no Brasil.

Delineamento e Métodos

Realizou-se uma coleta descritiva, quantitativa e transversal de dados secundários relacionados a internações decorridas de encefalite viral. Os dados são oriundos do Sistema de Informações Hospitalares do SUS - SIH/SUS, os quais são processados pelo Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Foram consideradas internações por encefalite viral no Brasil no período de 2016 a 2020, de de permanência, valor médio das internações, sexo e faixa etária.

Resultados

No período analisado, foram observadas 10.348 internações em decorrência da encefalite acordo com as seguintes variáveis: número de internações, taxa de mortalidade, média viral, com a região Nordeste representando a maior proporção de internações (40,95%), seguida das regiões Sudeste (26,01%), Sul (17,53%), Norte (7,99%) e Centro-Oeste (7,52%). A taxa de mortalidade total no período dos 5 anos estudado foi de 6,06%, com a região Centro-Oeste detentora da maior taxa, cerca de 6,43%, e a região Sul com a menor, de 4,85%. O valor médio das internações correspondeu à R$ 2.061,45, sendo mais custosa na região Sudeste (R$ 2.495,79) e menos onerosa no Norte (R$ 1.504,44). A população masculina representou 54,57% das internações e a feminina cerca de 45, 43%. A faixa etária de 1 a 4 anos foi responsável pelo maior número de internações (15,37%), seguida de 1 a 4 anos (12,04%) e 10 a 14 anos (8,38%).

Conclusões/Considerações finais

É possível notar, a partir da análise dos dados, que o perfil de internações por encefalite viral no Brasil é representado por crianças e adolescentes, de população masculina e com maior concentração na região Nordeste. Além disso, pode-se observar o relevante número de procedimentos realizados no período, taxa de mortalidade e significativo impacto financeiro, o que enfatiza a necessidade de prevenção através da vacinação e no fornecimento adequado do tratamento antiviral.

Palavras Chave

Área

Clínica Médica

Autores

GILNEI FITLER SOARES, THIAGO INÁCIO TEIXEIRA DO CARMO, MURILO ANDRÉ SCHEMMER, FELIPE KOGIMA, MARGARETE DULCE BAGATINI