16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

HISTOPLASMOSE DISSEMINADA COM QUADRO MULTISSISTÊMICO EM PVHIV

Fundamentação/Introdução

Introdução: Histoplasmose é uma infecção que se dá pela inalação de esporos do fungo Histoplasma capsulatum. Em imunodeprimidos, a dificuldade em organizar uma resposta celular Th1 predispõe acometimento multissistêmico, principalmente do sistema reticuloendotelial. Complicações como vasculite, coagulação intravascular disseminada, disfunção hepática e renal e sepse podem resultar em óbito. Tal patologia é por vezes subdiagnosticada e deve ser incluída entre os diagnósticos diferenciais de febre em pessoa vivendo com HIV (PVHIV).

Objetivos

Objetivos: Descrever um caso clínico de histoplasmose disseminada (HD) em um paciente com diagnóstico recente de HIV.

Delineamento e Métodos

Descrição de caso clínico: HLOS, 23 anos, masculino, solteiro, auxiliar de serviços gerais, previamente hígido, apresentou perda ponderal de 20 kg em 3 meses, associada a febre vespertina, calafrios e sudorese. Evoluiu com diarreia aquosa por 3 semanas, sem sangue ou muco, além de candidíase oral e peniana. Foi solicitado teste rápido e ELISA para HIV que confirmaram o diagnóstico, além de tomografia computadorizada (TC) de abdome e tórax que revelou esplenomegalia homogênea e micronódulos pulmonares difusos não calcificados de até 5 mm. Iniciada investigação de infecção oportunista pulmonar, foi coletada dosagem de galactomanana e GeneXpert de escarro para tuberculose (TB), ambos negativos. Paciente iniciou tratamento para pneumocistose com sulfametoxazol e trimetoprim, sem resposta após 14 dias. Considerando a alta prevalência de TB como infecção oportunista na PVHIV, foi iniciado esquema padrão para TB com acompanhamento ambulatorial. Realizou broncoscopia e lavado broncoalveolar (LBA). Após 2 meses, teve recidiva da febre, astenia, tosse e dispneia, além de pancitopenia, aumento importante de enzimas canaliculares e transaminases, com necessidade de internação. Nova TC de tórax revelou piora da doença micronodular pulmonar. Cultura de LBA evidenciou crescimento de Histoplasma capsulatum. Foi suspenso tratamento para TB e iniciada Anfotericina B lipossomal por 14 dias, com rápida melhora clínica e laboratorial. Recebeu alta com prescrição de itraconazol oral e orientações.

Resultados

-

Conclusões/Considerações Finais

Conclusão: Mesmo diante de quadro clínico típico de HD (pancitopenia, visceromegalia e infiltrado reticular difuso), o diagnóstico pode ser desafiador se o acesso a exames céleres como sorologia e testes moleculares forem restritos. Neste contexto, a demora na avaliação de doenças fúngicas pode retardar o início de tratamento específico.

Palavras Chave

HISTOPLASMOSE; HIV; HISTOPLAMOSE DISSEMINADA; AIDS;

Área

Clínica Médica

Instituições

HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE - Distrito Federal - Brasil

Autores

GABRIEL XAVIER RAMALHO, MARIANA CARVALHO GOMES, MAIRA ROCHA MACHADO DE CARVALHO