16º Congresso Brasileiro de Clínica Médica

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ESTENOSE PILÓRICA COMO RARA COMPLICAÇÃO DE DOENÇA ULCEROSA PÉPTICA: RELATO DE CASO

Fundamentação/Introdução

Doença ulcerosa péptica (DUP) é uma condição comum na prática clínica, mas que pode apresentar diversas complicações. Uma delas, a estenose pilórica, apesar de rara, pode cursar com disfunções orgânicas graves.

Objetivos

Relatar um caso de estenose pilórica e suas possíveis repercussões clínicas.

Delineamento e Métodos

CHSV, 37 anos, previamente hígido, etilista, tabagista e usuário de maconha. Admitido com prostração, desidratação, bradipsiquismo, vômitos incoercíveis pós alimentares e soluços há 1 mês, associado à perda ponderal não quantificada. Sem relato de epigastralgia ou outras queixas espontâneas. Acompanhante refere quadro iniciado há pelo menos 8 meses.
Propedêutica evidenciou IRA KDIGO III, alcalose metabólica, hipocalemia, hiponatremia, hipocloridria, hipomagnesemia, EAS com hematúria leve sem dismorfismo eritrocitário, relação P/C 0,38 e sorologias negativas. Ultrassonografia com sinais de nefropatia parenquimatosa aguda bilateral, e tomografia abdominal com estenose pilórica na primeira porção do duodeno. Endoscopia digestiva alta mostrou estase líquida e alimentar com dilatação acentuada da câmara gástrica, lesão ulcerada do canal pilórico (A1 Sakita, Forrest III), determinando estenose pilórica, teste da urease positivo. Anatomopatológico descartou neoplasia e processos infecciosos.

Resultados

Na internação, foram instituídas medidas para correção de distúrbios nutricionais e hidroeletrolíticos, e tratamento clínico para úlcera péptica e de Helicobacter pilory (H. pilory). O paciente evoluiu com melhora clínica progressiva, sem recorrências de náuseas ou vômitos e com boa aceitação de dieta via oral, melhora nutricional e da função renal, dos distúrbios hidroeletrolíticos e acidobásicos. Recebeu alta com proposta de seguimento ambulatorial de tratamento de úlcera péptica e controle endoscópico.

Conclusões/Considerações Finais

A DUP apresenta incidência e prevalência maiores nos portadores de H. pilory e pode complicar com perfuração, obstrução ou sangramento. Essas complicações são evitadas com o tratamento efetivo de H. pilory e com o uso de inibidores de bomba de prótons. Entretanto, a obstrução gástrica secundária à úlcera péptica é uma condição rara, que pode cursar com repercussões clínicas graves, tais como insuficiência renal aguda (IRA) e distúrbios hidroeletrolíticos importantes.
Diante disso, conclui-se a relevância do diagnóstico precoce e manejo clínico adequado da DUP, de modo a evitar complicações graves e, por vezes raras, como no caso descrito.

Palavras Chave

Estenose pilórica; doença ulcerosa péptica; úlcera péptica; infecção H.pilory

Área

Clínica Médica

Instituições

Hospital Risoleta Tolentino Neves - Minas Gerais - Brasil

Autores

SUEMARA FERNANDES DA SILVA MARTINS, LARA MAIA SIQUEIRA, LINA SANTANA HERMUCHE, VICTOR VIEIRA SANTOS, BRENO ALVES ARAÚJO